Ex-deputado estadual Carlos Simões morre em acidente na BR-116

2,6 milhões de paranaenses estão com IPVA em dia
13 de abril de 2022
Operação Semana Santa começa nesta quinta-feira
14 de abril de 2022
Ex-deputado estadual Carlos Simões morre em acidente na BR-116

O ex-deputado estadual Carlos Xavier Simões, de 63 anos, morreu na noite desta quarta-feira (13) após se envolver em um acidente na BR-116, em Mandirituba, na Região Metropolitana de Curitiba.

O político foi socorrido em estado grave e levado ao Hospital do Trabalhador por volta das 20h10. Segundo o hospital, ele sofreu uma parada cardiorrespiratória, não resistiu às manobras de reanimação e morreu.

De acordo com as informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), o acidente foi na altura do quilômetro 135, no sentido São Paulo. A batida envolveu uma caminhonete, uma van e um caminhão.

A Mesa Diretora da Assembleia Legislativa do Paraná, em nome do presidente Ademar Traiano (PSD), lamentou a morte.

O velório será realizado no Espaço Ecumênico da Assembleia Legislativa nesta quinta-feira (14) em horário a ser definido pelos familiares.

Simões foi comunicador de rádio e televisão com programas que abordavam as causas sociais. Foi vereador de Curitiba e eleito deputado estadual em 1990, sendo reeleito para as quatro legislaturas seguintes.

Na Assembleia Legislativa foi membro da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e das Comissões de Redação e de Segurança Pública.

Natural de Verê, no sudoeste do Paraná, Carlos Simões foi deputado estadual por três mandatos, pelo PTB, eleito nos anos de 1998, 2002 e 2006. No seu último mandato, recebeu 32.138 mi votos.

Simões deixou a Alep em 2009, após ter o mandato cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Em janeiro de 2012, o ex-deputado foi preso suspeito de peculato no caso que ficou conhecido como “escândalo dos gafanhotos”, em 2006. Ele foi solto após pagar fiança.

Segundo as investigações do caso, alguns deputados estaduais da época autorizavam que os salários dos funcionários da casa fossem depositados em uma única conta corrente. Em alguns casos, as contas eram dos próprios deputados e os funcionários não trabalhavam na Casa. (Com informações do G1)

Comments are closed.