Júri do “caso Maria Helena” ocorre nesta quinta-feira em Apucarana

Marilândia tem campeonato de sinuca iniciando dia 07 de junho
3 de junho de 2022
Prefeitura investe R$ 1 milhão para levar iluminação LED ao “João Paulo”
22 de junho de 2022
Júri do “caso Maria Helena” ocorre nesta quinta-feira em Apucarana

Thomas de Oliveira Melo, ex-marido de Maria Helena de Carvalho, é acusado pelo crime e sentará no banco dos réus nesta quinta-feira / Foto: Arquivo da Família

Um dos júris mais esperados dos últimos anos em Apucarana está marcado para esta quinta-feira (23). Trata-se do julgamento de Thomas de Oliveira Melo, acusado de matar e ocultar o corpo da ex-mulher Maria Helena Bispo Carvalho, então com 28 anos, em setembro de 2019. O Tribunal do Júri se reúne no Fórum Desembargador Clotário Portugal a partir das 8 horas.

O julgamento estava marcado para 17 de maio, mas foi adiado a pedido da defesa do réu. Thomaz está preso em Santa Catarina, onde foi condenado a uma pena de 11 anos de reclusão por uma tentativa de feminicídio ocorrida naquele estado.

O corpo da manicure Maria Helena de Carvalho foi encontrado em 2 de maio de 2020 em um poço. A jovem estava desaparecida desde 11 de setembro de 2019, quando foi vista pela última vez.

Thomas de Oliveira Melo foi preso em São Francisco do Sul (SC) em 7 de março de 2020 após permanecer foragido por seis meses. Ele  confessou à polícia a autoria do crime e apontou a localização do corpo.

De acordo com as investigações, ele matou a mulher e utilizou o celular da vítima para mandar mensagens para familiares dela na tentativa de afastar a polícia. Imagens de câmeras de segurança do prédio onde o casal morava registraram as últimas imagens de Maria Helena no dia 11 de setembro, data do desaparecimento.

Ainda segundo a Polícia Civil, o homem disse que matou a ex-mulher após uma discussão.  A vítima pediu que o homem saísse da casa, mas ele se recusou. O acusado do crime também afirmou no interrogatório que não tinha intenção de matar. Ele foi transferido para Apucarana apenas em 1º de maio de 2020. O feminicídio gerou repercussão nacional.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.